Equipamentos, Notícias

As inacreditáveis fotos noturnas feitas com smartphones por um engenheiro do Google

28/04/2017
Fotos noturnas feitas com celular Google

Florian Kainz é um engenheiro de software do Google que faz parte de um grupo de pesquisa com foco em fotografia computacional.

Certo dia ele fotografou a icônica Golden Bridge em São Francisco com um equipamento de ponta: uma Canon 1DX munida de uma Zeiss Otus 28mm f/1.4 ZE.

Visão da ponte Golden Gate a partir de Marin Headlands, feita com uma DSLR. Foto em alta resolução disponível aqui.

Visão da ponte Golden Gate a partir de Marin Headlands, feita com uma DSLR. Foto em alta resolução disponível aqui.

Feliz com o resultado, Kainz mostrou a foto para seus colegas de trabalho que imediatamente o desafiaram a refazer a imagem utilizando uma câmera de celular, já que esse é o foco do trabalho deles: desenvolver algoritmos que aprimorem a qualidade das imagens feitas com smartphones e câmeras compactas.

Segundo Kainz, o projeto mais bem sucedido desenvolvido por sua equipe é o modo de fotografia HDR+ presente em celulares Nexus e Pixel.

Esse modo permite ao smartphone fazer 10 exposições em modo contínuo, para depois mesclá-las em uma única imagem com redução de ruído e de tremor por segurar a câmera sem tripé.

Apesar de ser um excelente recurso, o engenheiro sabia que mesmo com o uso dele, haveriam desafios a serem superados para conseguir resultados mais próximos aos da poderosa Canon.

O primeiro deles é que o HDR+ não realiza exposições mais lentas do que 1/10. Isso acontece para que o tremor feito com o disparo sem tripé fique dentro de um limite seguro.

Esse limite, no entanto, restringe a capacidade de fotografar em pouca luz, já que não permite uma entrada de luz suficiente para cenas como a da Golden Gate à noite.

Além disso, também havia o desafio do autofoco, que como a gente bem sabe, é algo complicado até mesmo para DSLRs pomposas quando em pouca luz.

Assim, o engenheiro decidiu criar um aplicativo simples com controles manuais de tempo de exposição, ISO e distância de foco para contornar essas limitações.

As câmeras do Google Nexus 6P e do Pixel eram capazes de realizar exposições lentas de até 4 e 2 segundos, respectivamente e ao manter o foco ajustado para o infinito, o engenheiro seria capaz de resolver o problema do autofoco para as cenas em questão.

Google Nexus 9P e Google Pixel

Google Nexus 9P e Google Pixel

O aplicativo de Kainz realiza em seguida 64 disparos e salva os arquivos em RAW (DNG) para pós-processamento no computador.

A explicação dos experimentos de Kainz nas palavras do engenheiro:

Para testar meu app, eu visitei o farol de Point Reyes na costa da Califórnia, a cerca de 50km ao noroeste de São Francisco, sob a luz da lua cheia. Apontei um celular Nexus 6P para o farol e realizei um disparo contínuo de 32 exposições de 4 segundos de duração em ISO 1600. Depois de cobrir a lente da câmera com uma fita adesiva opaca, eu realizei mais 32 disparos adicionais de quadros pretos. De volta no escritório, carreguei os arquivos RAW no Photoshop. Os quadros individuais estavam muito granulados, como se esperaria de uma câmera de celular com sensor pequeno, mas calcular as médias dos 32 quadros limpou a maior parte do ruído, e subtrair a média dos 32 quadros pretos removeu os padrões esmaecidos em forma de grid, ocasionados pelas variações locais do sensor em níveis pretos. A imagem resultante, mostrada abaixo, parece surpreendentemente boa.

 

Florian Kanz

Farol de Point Reyes a noite, fotografado com um Google Nexus 6P. Disponível em alta resolução aqui.

Outras fotos feitas por Florian Kainz com suas técnicas de fotografia com pouca luz em smartphones Google:

North Star sobre o Monte Burdell, feita com Google Pixel.

North Star sobre o Monte Burdell, feita com Google Pixel. Imagem em alta resolução aqui.

 

Barco de pesca naufragado. 64 exposições de 2 segundos, feitas com Google Pixel.

Barco de pesca naufragado. 64 exposições de 2 segundos, feitas com Google Pixel. Imagem em alta resolução aqui.

 

Estrelas sobre Pierce Point Ranch, 64 exposições de 2 segundos, feitas com Google Pixel

Estrelas sobre Pierce Point Ranch, 64 exposições de 2 segundos, feitas com Google Pixel. Imagem em alta resolução aqui.

 

Via Láctea feita com Google Pixel.

Via Láctea feita com Google Pixel. Imagem em alta resolução aqui.

E por fim, o desafio original:

Golden Gate feita com Google Nexus 6P.

Golden Gate feita com Google Nexus 6P. Imagem em alta resolução aqui.

A conclusão de Kainz após os experimentos:

De 9 a 10 Megapixels, a resolução dessas imagens não é tão alta quanto as que uma DSLR pode produzir, mas a qualidade da imagem é surpreendentemente boa: as fotos são nítidas até os cantos e não tem muito ruído visível, o alcance dinâmico capturado é suficiente para evitar a saturação de tudo menos os brilhos mais claros e as cores são agradáveis.

Tentar descobrir de câmeras de celular poderiam ser adequadas para fotografia noturna foi um experimento divertido, e claramente, o resultado é sim, elas são. Entretanto, para chegar no resultado final foi necessário muito pós-processamento cuidadoso em um computador de mesa, e o procedimento é muito pesado para a maioria dos fotógrafos de celular. De qualquer forma, com o software certo, um celular deveria ser capaz de processar as imagens internamente. E se passos como pintar máscaras de camadas à mão puderem ser eliminados, seria possível fazer fotografia do tipo apontar-e-disparar em condições de pouca luz. Ainda assim, um celular deveria ficar estável no chão ou montado em um tripé.

Nesse link você pode conferir um álbum com mais fotos produzidas com essa técnica.

You Might Also Like

Nenhum Comentário

Comente!